segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Haroldo...

Acabo de saber que Haroldo faleceu...
Era um morador de rua que vivia na Praça São Salvador. Assistia as nossas rodas de samba ...desde a primeira, lá se vão oito anos.
Quando terminava uma sequência de músicas ele sempre incentivava com a expressão:
"- Muito lindo...!"
Mas tarde criou uma variação... "Morango ao leite...!"

Dormia nos degraus que circundam o coreto da Praça, às vezes lhe ofereciam refeições...uma bebidinha. 
Volta e meia era recolhido e levado para um abrigo...de onde saia e invariavelmente voltava à Praça São Salvador.
Alguns o consideravam um personagem folclórico, outros uma presença indesejável. Ficou doente em várias ocasiões...mas sempre voltava.
Alguém comentou sobre um diálogo que manteve com Haroldo...ele dizendo que recebia uma pensão mas que algum familiar se apropriava do valor...

Costumava montar uma espécie de "feirinha" na mureta do coreto...colocava vários objetos recolhidos ... 
Haroldo morreu de complicações decorrentes de tuberculose.

Foi atendido...mas não resistiu. 

Atualmente existem vários moradores de rua na Praça São Salvador...e do jeito que o Brasil está sendo "governado" e destruído ...a tendência é aumentar a quantidade dos miseráveis e excluídos.

A maior tristeza em toda esta história é percebermos que o nosso país mergulha em tempos sombrios...com congelamento de verbas destinadas à Educação e Saúde.
Ou seja, intencionalmente estão sendo selados os destinos de muitos "Haroldos"...

Descanse em paz ....








3 comentários:

  1. Zé Carlos, obrigado pela notícia e pelo ótimo texto. A "feirinha" dele sempre me intrigou.

    Ismael

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente, não gostava muito dele. Mas tinha lá suas tiradas engraçadas. Descanse em paz.

    ResponderExcluir
  3. Desconfiei no sábado (14.10.17) na roda de samba da praça São Salvador que o Haroldo havia falecido, e hoje pesquisando no Facebook vejo que ele faleceu provávelmemte em setembro último por complicações de uma pneumonia. Fiquei muito triste, ainda mais por saber que eu como frequentador assíduo da praça somente notei a ausência do Haroldo somente agora depois que alguém no último sábado comentou que uma moradora de rua, que as vezes sambava na roda tinha falecido, foi aí que eu atentei que nunca mais tinha visto o Haroldo. Isso me deixou além de triste chateado por ver como a gente sem querer torna estes seres humanos desamparados, realmente invisíveis. Mas que o Haroldo, que era como um pássaro livre, descance em paz.

    ResponderExcluir